.comment-link {margin-left:.6em;}

30 de janeiro de 2006

 

E se ...

Ainda que
(autor: El hombre maíz)

Ainda que todos vencessemos
com glórias aceitas e esforços reconehecidos
Que fossemos honestos
e todo o desleal, tal e qual desconhecido

Ainda que não matassemos
e que tudo que mata fosse incompreensível
que não feríssemos
e que toda a mágoa fosse de toda inconcebível

ainda que não padecêssemos
do mal incurável e nem do curável
que saboreássemos
e que tudo de bom fosse bom e saudável

Ainda que trabalhássemos
com direitos e deveres iguais de divertidos
que nao isolássemos
e que fosse a solidão o sentimento esquecido

Ainda que nos rodeássemos
de pesoas agradáveis e um mundo agradável
que não poluíssemos
e reciclável, todo um mundo reciclável

Ainda que evitássemos
todos acidentes e todo mal inesperado
que nao viciássemos
de droga, de prazer, de amor e pecado

Ainda que respeitássemos
todos os povos, culturas, fés e descrença
que escutássemos
e todos aceitassem e avaliassem as diferenças

Ainda que desinventássemos
os países, as fronteiras e a tarifa alfandegária
e abolísssemos
todas as leis e as normas fossem desnecessárias

Ainda que chorássemos
de tristeza nas despedidas e de alegria no regresso
que sorrissemos
e que todo ¨bom dia¨ fosse um desejo sincero

Ainda que vivêssemos
em contínuos, sólidos e eternos prazeres
e gozássemos
por dias e noites não menos que duas vezes

Ainda que fossemos mesclássemos
socialistas , milionários e anarquistas
trissexuais
classicistas, peregrinos, vanguardistas

Ainda que não nos preocupássemos
trânsito, fila, fios e pêlos
insetos
papéis, protocolos, patrões e dinheiro

Então nesse mundo exterior perfeito
consumiríamo-nos pouco a pouco por dentro
Pois para piorar dá-se sempre um jeito
E para ser feliz não foi o mundo feito
ócio prazer festa reflexao
Perguntas sem resposta tédio insatisfaçao
um por um
enlouquecendo
um por um
suicidando
E os mortos que trariam o desespero
E os loucos com loucos discordando
um por um
e todo o caos ressurge desde o zero
a mesma coisa
um por um
a velha coisa
um por um
desde o zero

***

Ler todos os outros contos

Marcadores:


Comments:
Gostei muito!!
Beijos n'alma
 
Beijíssimos Tata!
 
Postar um comentário



<< Página inicial

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

eXTReMe Tracker